ENDERMOTERAPIA

endermoterapia

É uma técnica aplicada através de aparelho que promove massagem local com a ajuda de esferas que ficam em sua base, fazendo movimentos de aspiração e rolamento. Consiste em uma aspiração mecânica e contínua aliada a duas roldanas ativas, que por meio desta massagem melhora a circulação sanguínea e linfática do tecido conjuntivo bloqueado pelo aumento exagerado das células de gordura da hipoderme. Devido a má circulação ali estabelecida, a silhueta feminina fica comprometida e a pele ganha o aspecto de “casca de laranja”.

Origem

Técnica francesa que associa drenagem linfática e massagem. O aparelho é composto de vários cabeçotes, sendo um para cada tipo de tratamento. A aplicação estimula a circulação local, desorganiza as células adiposas e rompe os nódulos fibrosos que caracterizam a celulite, com isso a gordura local também é estimulada e transforma-se em glicerol, substância absorvida pela circulação e eliminada do organismo, restaurando a qualidade do tecido cutâneo.
A endermoterapia é uma técnica criada a partir de experimentos, utilizando-se pressão negativa, sendo que receptor de pressão tem suas paredes ativas, destinadas ao incremento circulatório, tanto venoso quanto linfático e ainda a “massoterapia por rolagem e palpação”.

Para se fazer os movimentos de drenagem, utiliza-se uma compressão entre 100 a 150 mmHg (negativos).

A endermoterapia pode ser utilizada de duas formas diferentes, sendo movimentos para “quebra” da fibrose do tecido celulítico (movimentos em zigue-zague) e movimentos para massageamento no sentido do retorno venoso e linfático.

É indicada nos tratamentos de celulite (lipodistrofia ginóide), gordura localizada, retenção hídrica e pós-cirurgia plástica.

É contra-indicada na presença de feridas abertas, traumas locais, hematomas, fragilidade vascular e infecções locais de pele.